publicidade
Blog Quem Bahia

Por João Mascarenhas

Notícias

Dirigentes de defesa agropecuária definem estratégias de combate à peste suína

01 nov 2019

| 05:03h | Notícias
Dirigentes de defesa agropecuária definem estratégias de combate à peste suína

Representantes da defesa agropecuária de todo o país estão reunidos em Salvador para definir estratégias de combate à Peste Suína Clássica (PSC). O encontro, realizado nesta quinta-feira (31), na sede da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB), em Ondina, ocorre após um foco da doença ter sido diagnosticado em Alagoas e já debelado.

O diretor-geral da ADAB, Maurício Barcelar, fala sobre a atuação histórica do estado baiano. "A Bahia é uma garantia para que todo o país continue exportando produtos de origem suína. Nós fazemos a proteção da zona que não é livre com a zona livre. Os estados do nordeste ainda não têm o status de zona livre da peste suína. Nós aqui atuamos com barreiras. Com o surgimento de focos nos estados do Piauí, Alagoas e Ceará, a Bahia tomou a dianteira. Temos trabalhado com nossos técnicos em uma incansável fiscalização em mais de 1.300 quilômetros de fronteiras, e em mais de 9 mil propriedades, para que este vírus não entre no nosso estado e não contamine outras regiões, colocando em risco as exportações de todo o país”.

Para o presidente do Instituto Mineiro de Agropecuária, Thales Fernandes, a Bahia vem cumprindo muito bem a tarefa. "Os estados de Minas Gerais e Bahia têm barreiras limítrofes, e nós temos um trabalho em parceria e em conjunto. Nossa preocupação neste momento é com o avanço da peste suína clássica, que pode chegar à zona livre”. Segundo ele, a proposta da reunião, juntando todos os gestores da defesa Agropecuária do Brasil, é desenvolver estratégias para conter a doença. “Cada estado tem as barreiras nas divisas, mas isso não é o suficiente. É preciso conscientizar o setor produtivo porque a gente sabe que existem rotas de fuga onde os caminhões podem passar. Os suínos criados livremente também podem dificultar o controle desses animais. Então nós vamos aqui montar uma estratégia para envolver todo o setor no combate a essa doença”, explicou.

Segundo o presidente do Fórum Nacional dos Executores de Sanidade Agropecuária (Fonesa), Mário Louzada, a Bahia tem sido muito atuante na prevenção e no combate das doenças animais. "Isso nos tranquiliza muito, nós sabemos que a Bahia tem um papel fundamental na proteção do território nacional e vai desempenhar bem o seu papel, como sempre fez. Nós temos focos hoje da peste suína clássica no Piauí, no Ceará e em Alagoas, que estão muito próximo ao Rio São Francisco, na fronteira com a Bahia. A Bahia tem sido uma resistência, então nós nos unimos com o resto do país através da Adabd e da Fonesa, para tomar ações efetivas e conseguir combater a peste suína”.

De acordo com a especialista e consultora em saúde animal, Massaio Minzuno, existem duas zonas em relação a peste suína, uma é a não livre, que envolve estados do norte e nordeste, e outra livre, que estão abaixo desse limite. “Este é um momento bastante importante, pois alguns focos foram identificados e isso nos alertou sobre a necessidade de intensificar as ações nas fronteiras. Então essa reunião é muito importante para nós unirmos forças, olharmos para o passado e identificarmos, na história, o que precisamos fazer no futuro”.

A doença

O estado de Santa Catarina, maior produtor de carne suína do país, está em alerta para impedir a entrada do vírus da Peste Suína Clássica (PSC). A doença, de notificação obrigatória no Brasil, acomete somente suínos, não sendo transmitida ao ser humano ou outras espécies. A PSC teve dois novos focos confirmados neste mês, agora em Alagoas, o que pode colocar em risco a agroindústria de Santa Catarina, responsável por 57,7% das exportações brasileiras de carne suína, segundo a Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS).

A Contaminação

A contaminação de um suíno pela PSC se dá por ingestão de alimento ou água contaminada, incluindo inalação de gotículas contaminadas de outros suínos próximos, e até mesmo por inseminação artificial. “A doença tem um período de incubação que varia de quatro a dez dias e tem sintomas semelhantes a outras enfermidades, como febre acima de 40,5ºC, tendência de os suínos ficarem amontoados, apatia, conjuntivite, falta de apetite, cianose nas extremidades e hemorragia na pele. Por isso é fundamental chamar um médico veterinário para se fazer a confirmação do vírus em laboratório”, recomenda o pesquisador da Embrapa.


Repórter: Raul Rodrigues

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Quem bahia. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.



Revista

REVISTA QUEMBAHIA.COM

Arquivo de Matérias



Publicidade

Podcasts

Rui Costa comemora geração de empregos na inauguração da nova loja da Cesta do Povo no Ogunjá

Minha Figura
00:00
Download

Cacilda Miranda falo sobre valorização do idoso na semana festiva em Feira de Santana

Minha Figura
00:00
Download
Ver todos os Podcasts

Fotos

Twitter

© 2009 - 2019. QuemBahia.com - Todos os direitos reservados.     Painel administrativo.